O novo tiro de Cármen Lúcia contra Bolsonaro

Ministra manda investigação sobre suposta interferência para PGR. Rapidamente...

A ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou para a Procuradoria Geral da República (PGR) a investigação que apura uma suposta interferência de Jair Bolsonaro na operação da PF que prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, o pastor do presidente acusado de tráfico de influência.

A celeridade com que a ministra deu andamento ao processo mostra que Cármen não vai deixar passar batida a suspeita de que Bolsonaro pode ter tentado favorecer Milton Ribeiro com informações privilegiadas da PF.

Essa é a segunda vez que Bolsonaro é suspeito de interferir em uma investigação da PF e, em um ano eleitoral, as consequências podem ser diferentes – com ainda mais desgaste político.

O presidente já deu muitas provas de que é um intervencionista em instituições do Estado, mas parece estar mais preocupado com os impactos da atual investigação do que quando Sérgio Moro o acusou de interferir na Polícia Federal.

A prova disso foi a rápida reação do governo a uma decisão do ministro Alexandre de Moraes depois de um pedido de Randolfe Rodrigues para investigar o presidente no caso do MEC.

Continua após a publicidade

Quando Sérgio Moro acusou Bolsonaro de interferência na PF, o presidente era praticamente um “réu confesso”. Admitia publicamente que estava mudando chefes estratégicos na instituição. Naquela época, o processo não deu em nada. Por questões burocráticas, a investigação ainda não pôde ser arquivada, mas deve seguir esse caminho por falta de provas contra o presidente.

Agora, o próprio delegado que investiga o caso de corrupção no MEC denunciou que Milton Ribeiro estava “ciente” de que seria alvo de buscas. Também afirmou que sua investigação foi atrapalhada.

Vai ser mais difícil para Bolsonaro escapar dessa vez? Abertamente a favor de mudar chefias estratégicas quando os ocupantes não agradam o governo, o presidente terá que explicar não só sobre o grampo em que Milton Ribeiro diz ter recebido uma ligação dele com informações sobre uma eventual operação.

O resultado dessa investigação pode atrapalhar o cenário eleitoral para Bolsonaro, que já está, até o momento, desfavorável a ele. Os brasileiros merecem saber tudo o que for relevante para tomar uma decisão no dia 2 de outubro. Isso vale para todos os candidatos e Cármen Lúcia certamente buscará colaborar com isso.

* Esta coluna coloca tiros e disparos nos títulos como um retrato crítico do nosso tempo. Mas é contra o armamentismo.

Postar um comentário

0 Comentários