MPF entra com ação contra Bolsonaro por manter "Wal do Açaí" como funcionária-fantasma até 2018


O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação de improbidade administrativa contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e a ex-secretária parlamentar da Câmara dos Deputados Walderice Santos da Conceição, conhecida como “Wal do Açaí”.

Em 2003, o então deputado federal Jair Bolsonaro indicou Walderice para o cargo de secretária do seu gabinete em Brasília. Ela só foi exonerada em agosto de 2018, quando denúncias de que ela seria uma funcionária-fantasma foram divulgadas pela imprensa.    

A ação pede a condenação de Bolsonaro e da ex-funcionária, além da devolução do dinheiro público que teria sido desviado. Segundo as investigações, Walderice passou mais de 15 anos sem nunca ter ido a Brasília, onde supostamente trabalhava.

:: Ministro da Educação admite priorizar amigos de pastor a pedido de Bolsonaro; ouça áudio ::

Ainda conforme o MPF, ela e seu companheiro prestavam serviços particulares para Bolsonaro. Entre eles, os cuidados com a casa e com os cachorros dele na Vila Histórica de Mambucaba, no Rio de Janeiro. Além disso, a assessora de Bolsonaro trabalhava em uma loja de açaí na mesma região.

A análise das contas bancárias de Walderice, conforme as investigações, revelou movimentação atípica. Mais de 80% do dinheiro recebido por ela foi sacado em espécie. Em alguns anos, os saques correspondem a 95% do salário. 

Bolsonaro sabia de tudo, diz MPF

O MPF acusa Bolsonaro de saber que Walderice não trabalhava em seu gabinete. Ainda assim, ele teria mentido ao atestar a presença dela em Brasília para comprovar a jornada mínima exigida pela Câmara dos Deputados, de 40 horas semanais, e liberar o pagamento dos salários.

Na ação, o MPF também diz que Bolsonaro sabia que Walderice e o marido prestavam serviços de natureza particular na sua residência. 

“As condutas dos requeridos e, em especial, a do ex-deputado federal e atual presidente da República Jair Bolsonaro, desvirtuaram-se demasiadamente do que se espera de um agente público", escreveu o MPF na ação.

:: Mico eleitoral: Bolsonaro não elege Wal do Açaí e família de Zambelli perde nas urnas ::

"No exercício de mandato parlamentar, não só traiu a confiança de seus eleitores, como violou o decoro parlamentar, ao desviar verbas públicas destinadas a remunerar o pessoal de apoio ao seu gabinete e à atividade parlamentar”, continua o documento.

Distribuída à 6ª Vara Federal do Distrito Federal, a ação usa jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) para sustentar que atos de improbidade praticados antes da posse como presidente da República não estão sujeitos à imunidade prevista pela Constituição, que é restrita à esfera penal, e nem se tornam crimes de responsabilidade em função do exercício da presidência. 

Comentários

Postagens mais visitadas