Cabo é expulsa da PM por postar fotos fazendo exercícios e em eventos sociais enquanto estava de licença médica


A Polícia Militar expulsou de seus quadros, no último dia 12, a cabo Andressa Christine Medeiros dos Santos, de 33 anos, lotada na Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP). A agora ex-agente é acusada de, enquanto usufruía de licença médica para tratamento de saúde, participar de diversos eventos sociais e compartilhar uma rotina de pesados treinos físicos nas próprias redes. A decisão pela exclusão, publicada em boletim interno da corporação, classifica a conduta da PM como "transgressão disciplinar de natureza grave".

O documento obtido pelo EXTRA descreve que, no dia 27 de julho de 2018, Andressa foi vítima de um ferimento por arma de fogo no pé esquerdo, que não foi considerado um "ato de serviço". Ela foi, então, retirada "das atividades laborais a fim de recuperar-se da lesão". Contudo, já no dia 30 de agosto, pouco mais de um mês depois do afastamento, a cabo "postou vídeo em sua página social realizando exercício físicos em academia".

"É oportuno citar que, nos dias 9 e 30 de dezembro de 2018, o revisionado participou dos eventos Feijoada de Coroação da Rainha e Encontro da Banda Amigos da Barra, ocasião em que aparece dançando e utilizando calçado alto", prossegue o texto publicado no boletim, frisando ainda que, à época, Andressa "encontrava-se de Licença para Tratamento de Saúde pela clínica de ortopedia da Corporação". Segundo o documento, enquanto enfileirava atividades sociais e postava fotos até mesmo como musa da banda Amigos da Barra durante o carnaval, a policial enfileirou três períodos de afastamento de um mês cada.

Em janeiro de 2019, Andressa foi autorizada a retornar ao trabalho, mas na categoria "apto B", com restrições para exercícios físicos e longa permanência em pé. Mesmo assim, ela voltou a participar de eventos da Amigos da Barra nos dias 13 e 27 daquele mês. "Através de imagens", pontua o boletim, foi observado que a PM estava "sem lesões aparentes", "dançando com calçado de salto alto" e exercendo "o cargo de musa da aludida banda". Para a PM, ao agir desse modo, ela demonstrou "má-fé e deslealdade à administração militar estadual".

Comentários

Postagens mais visitadas