“Não vou dizer que meu governo não tem corrupção”, diz Bolsonaro

Por diversas vezes, o chefe do Executivo afirmou que sua gestão não contava com nenhum caso de corrupção.

Na manhã desta segunda-feira 6, em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que não é possível falar que seu governo não tenha corrupção. Entretanto, reafirmou que qualquer tipo de denúncia será investigada.

“Não vou dizer que meu governo não tem corrupção, porque a gente não sabe. Se tiver qualquer problema no meu governo, a gente vai investigar. Não posso dar conta de mais de 20 mil servidores comissionados, ministérios com mais de 300 mil funcionários. A grande maioria são pessoas honestas”, refletiu Bolsonaro. O momento foi gravado e divulgado por um canal simpatizante.

Anteriomente, por diversas vezes, o chefe do Executivo federal reiterou que nunca se ouviu falar de um caso de corrupção durante sua gestão. Por outro lado, também sempre falou que, caso houvesse denúncias, ele seria o primeiro a investigar. As comemorações pelos 1 mil dias de governo, no fim de setembro, também trouxe como mote a ausência de corrupção.

Nas imagens divulgadas pelas redes sociais, a Secom colocou que o governo é “constitucional, eficiente e fraterno” e “sério, honesto e trabalhador”. As peças de propaganda ressaltaram os “mil dias pela liberdade, sem corrupção e de entregas para os brasileiros”.

Poucos dias antes, em 21 de setembro, Bolsonaro fez seu discurso na abertura da 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e, entre outros assuntos, tocou no assunto. “Estamos há 2 anos e 8 meses sem qualquer caso concreto de corrupção”, disse, à época.

Além das diversas denúncias de “rachadinha”, nas quais membros da família do presidente são citados, um relatório do Banco Mundial, divulgado no mês passado, revelou que a cada 10 servidores públicos federais, seis já testemunharam atos de corrupção.

Realizada em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), o Ministério da Economia, e a Escola Nacional de Administração Pública (Enap), a pesquisa ouviu 22.130 servidores, no período entre 28 de abril e 28 de maio de 2021. Segundo a pesquisa, durante a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, as práticas antiéticas aumentaram. Para 55% dos servidores entrevistados, interferências políticas prejudicaram a atuação de órgãos públicos.

Comentários

Postagens mais visitadas