Header Ads Widget


 

Notícias da covid-19, ao vivo | Datafolha: rejeição a Bolsonaro bate novo recorde e atinge 51%

Presidente da CPI da Pandemia cobra de Bolsonaro resposta à acusação feita pelo deputado Luis Miranda. Francieli Fantinato, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, diz aos senadores que deixou cargo após politização da vacina contra covid-19. Japão proíbe público na Olimpíada de Tóquio. Siga ao vivo a cobertura.

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar. Para receber gratuitamente nossa newsletter de segunda à sábado ―com reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as informações mais importantes do dia no seu e-mail―, inscreva-se aqui.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira aponta que a rejeição ao presidente Jair Bolsonaro bateu um novo recorde e atingiu 51%. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, é maior índice de avaliação do presidente como ruim/péssimo nos 13 levantamentos feitos pelo instituto desde o início do Governo, em 2019. O levantamento anterior, em maio, apontava rejeição de 45%. Desde então, o presidente viu o cerco da CPI da Pandemia apertar e virou alvo de investigação por suspeita de prevaricação no caso da negociação de uma vacina. No período o país também ultrapassou a triste marca de 500.000 mortes na pandemia de covid-19. Nesta quinta, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), criticou Bolsonaro, de quem cobrou uma resposta sobre as acusações feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), e disse que não iria se deixar intimidar, um dia após as Forças Armadas e a Defesa emitirem uma nota contra a comissão. Os senadores ouviram a ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde Francieli Fantinato, que declarou ter deixado o cargo o cargo após o Governo politizar a campanha de imunização da população, que também chamou de não efetivas. Já no Japão, o Governo declarou estado de emergência em Tóquio até 22 de agosto e descartou a participação de público nas Olimpíadas.

Postar um comentário

0 Comentários