Header Ads Widget


 

Divulgadas fotos dos presos que fugiram do CDP de Patu, no RN

 

Fuga aconteceu na madrugada desta segunda-feira (4).
Este ano, 143 detentos já escaparam do sistema prisional potiguar.

A direção do Centro de Detenção Provisória de Patu, na região Oeste potiguar, divulgou há pouco as fotos dos quatro presos que fugiram na madrugada desta segunda-feira (4) da unidade. Depois de serrarem as grades de uma cela e pularem o muro, foram resgatados Alisson Kennedy Nogueira dos Santos, Cássio Augusto de Souza, mais conhecido como 'Cassinho de Bodó', José Anísio do Nascimento, chamado de 'Zé Pequeno', e Fábio Alves do Nascimento, o 'Chapolim'.
"Eles tinham apoio externo, uma pessoa esperava fora do CDP para levá-los", disse Zemilton Pereira da Silva, diretor da Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coape). O prédio do CDP é um complexo onde também funcionam a companhia da Polícia Militar e a delegacia de Polícia Civil da cidade.

Comandante da PM na região, o capitão Aderlan Bezerra de Araújo disse que está em diligência em busca dos fugitivos
Um dos presos que fugiu, o 'Cassinho de Bodó', usou um telefone celular para ligar e conceder uma entrevista a uma rádio de Jucurutu, em fevereiro de 2015. Na época, o detento estava preso na Cadeia Pública de Caraúbas.
Fugas em 2016
Com a fuga do CDP de Patu nesta segunda, chega a 143 o número de detentos que conseguiram escapar este ano do sistema prisional potiguar. Antes, no dia 27 de março, sete presos arrancaram um vaso sanitário e fugiram pelo esgoto do Presídio Rogério Coutinho Madruga, mais conhecido como Pavilhão 5 de Alcaçuz. A unidade fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.

Calamidade
O governo do Rio Grande do Norte renovou por mais seis meses o decreto de calamidade no sistema prisional potiguar. A renovação, assinada pelo governador Robinson Faria, foi publicada na edição do dia 17 de março do Diário Oficial do Estado (DOE). O documento diz que a renovação tem por objetivo "legitimar a adoção e execução de medidas emergenciais que se mostrarem necessárias ao restabelecimento do seu normal funcionamento".

Postar um comentário

0 Comentários